segunda-feira, 29 de março de 2010

O palhaço Bozo e o cervejeiro

Por Márcio Rossi

Cristiam e Marcio na festa da Colorado


Era já noite em Ribeirão Preto e pouca gente se lembrava de quando havia escurecido naquele final de sábado. No saguão do hotel Marco e Fabiana se perguntavam onde e como estaria toda aquela gente que deveria ter se juntado a eles meia hora antes. É bem verdade que o dia havia sido longo. Depois de intensa festa na Cervejaria Colorado, era bem provável que os ausentes estivessem babando no travesseiro. Foi assim que o Marco me encontrou; atendi o celular sem saber onde estava, quem ligava e o que deveria fazer; mas não hesitei em responder-lhe que estava pronto e já estava indo. Aos poucos fui me lembrando com quem, aonde e porque.

O Cristiam não apareceu, resmungava preocupada Fabiana. Ninguém tinha notícia dele, mas parecia certo que tivesse se juntado ao grupo de exaustos vencidos pelo sono. Aliás, mais que ninguém ele mereceria esse descanso afinal havia passado a noite anterior sacolejando em um ônibus de Juiz de Fora para Ribeirão, trabalhara arduamente na produção da cerveja do evento e claro, brindou muito na festa de confraternização. Eu teria dormido por dois dias depois de uma odisseia dessas. Assim, reunimos os sobreviventes e rumamos para o Cervejarium, onde tomamos a "saidera" daquele intenso dia de celebração, cujos detalhes eu conto em outro artigo.

Na volta para o hotel, enquanto Howlin' Wolf uiavava no som do carro, Fabiana era novamente acometida por preocupações. Instinto feminino, imagino. Será que o Cristiam foi para o hotel? Neste momento senti uma pontada de preocupação; imaginei o coitado com o copo caído aos pés, cerveja derramada, esquecido em algum canto do local onde havíamos festejado durante a tarde inteira.

Vamos perguntar na Recepção. Certo, concordamos todos. No hotel o Marco perguntava à atendente: o Sr. Cristiam Rocha registrou-se? Antes que ela respondesse, a parte inusitada dessa noite dava os ares de sua graça: Cristiam e Ralf? Perguntava o senhor à nossa esquerda, impecavelmente caracterizado como o palhaço Bozo. Olhamos os três pra ele, que se explicava: vocês sabem, eu sou palhaço, não posso perder a piada...! Mas a Fabiana já cuidava de enquadrar o Bozo: se fosse Cristiam e Ralf seriam dois hóspedes, não um. Nesse meio tempo a atendente confirmava que o Cristiam estava registrado e presente.

Aliviados, entramos no elevador do hotel: o Bozo, eu, Marco e Fabiana, que sem se dar por vencida insistia para passarmos no quarto do Cristiam e conferirmos se estava mesmo tudo bem. Foi neste momento que a Fabiana teve a inspiração: vamos pedir ao Bozo para bater na porta do Cristiam!! Seu Bozo, o senhor faz isso pra gente? Hesitante, o palhaço indagava: mas o rapaz não vai ficar bravo? Não, não vai não, vamos lá!!!

O Bozo bateria à porta enquanto nós três permanecíamos fora do campo de visão, pra não entregar a armação. Só o Marco, de viés, iria filmar tudo para registrar a expressão do Cristiam diante do palhaço. Imagine você, depois da meia noite, abrindo a porta do seu quarto de hotel e dando de cara com o sorridente Bozo, de mão estendida, falando seu nome. Pois foi exatamente assim. Palavras do Cristiam: nunca, em toda minha vida, eu havia ficado tão perplexo, meu alívio foi quando o palhaco falou meu nome pois vi que ele me conhecia. Enquanto isso nos desmanchávamos em gargalhadas no corredor, revelando a armação. Acho que é uma daquelas coisas que você precisa de outra pessoa pra te dizer se está acontecendo de verdade.

Eis que resolvemos conferir o único registro da expressão de espanto do Cristiam na filmagem do Marco. O vídeo começa com o palhaço à porta... neste momento é interrompido para depois retornar mostrando imagens desconexas de pés e chão. Pois então, na hora H, o Marco desligara ao invés de ligar a câmera. Constatado o lapso, as gargalhadas se multiplicaram. Bozo escapou, nem vi por onde. De repente procuro pela Fabiana, que havia sumido. Onde ela tinha ido parar? Estava ali mesmo, agachada, escorada na parede, lutando contra as cãibras de um acesso incontrolável de riso. Acho que acordamos o andar inteiro do hotel.

Sobre a cara que o Cristiam fez, bom, esse é um segredo que morrerá com o Palhaço.

Abaixo as fotos, por Marco Falcone









4 comentários:

David - Lamas Bier disse...

To me matando de rir com essa história!!
Pessoal, foi otimo conhecer vc´s e rever os amigos Falcone e o Henrique (q vi por usn 3s segundos mas vi)

Abração
David
Lamas Bier
Acerva Paulista

Fabiana e Paula disse...

só de lembrar volto a rir! foi um dos episódios mais engraçados dos últimos tempos! Como disse o próprio Cristiam: foi uma grande palhaçada!

Ricardo Sangion disse...

Poxa, quero ver esse video! Impagavel!!

Patricio Mob Bier - Cerveja Caseira disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkk! ri demais só de imaginar a cena. com as fotos então!! Muito bacana!Abraço a todos!
Rafael Patricio Mob Bier

 
.