terça-feira, 20 de julho de 2010

Paladar II



Enviado por Bruno Agostini
19.07.2010

Eu já havia provado, com muita satisfação, algumas cervejas tchecas. Acontece que, em todas as vezes anteriores, acho eu, eram latas. Ou garrafas long neck. O que dá, neste caso, absolutamente no mesmo. Eram ótimas. Mas só agora posso perceber porque o país tem a fama de produzir algumas das melhores cervejas do mundo. Porque é muito diferente provar uma dessas marcas (nesta viagem já experimentei a Gambrinus, a Staropramen, a Urquell, a Budweiser Budvar – por favor, não confunda com a americana) quando servida como chope, direto do barril, num canecão, quase sempre enorme (de 500 ml ou um litro). Nunca provei em toda a vida uma cerveja tão boa. Nem perto disso (nunca visitei a Bélgica, só para constar). É uma bebida leve, com amargor muito presente, mas de maneira sutil, alegre, agradável. É a bebida nacional da República Tcheca. Pudera. Enquanto meio litro pode custar R$ 2, uma água ou Coca-Coca custam mais que isso. Por ser leve, resultado de uma fermentação muito cuidadosa (lenta, com maturação em baixa temperatura), as cervejas tchecas são uma ótima companhia para a cozinha deles, bem encorpada e gordurosa.
Hoje tive um ótimo jantar num restaurante típico aqui em Olomoud, o A Vinný, que serve receitas da região da Morávia. Começamos com um Slivovice, um forte mas delicado licor de ameixas, perfeito para começar os trabalhos. Enquanto ainda restava muito dele no copinho chegou uma linda caneca de Urquell, com aquela espuma densa que, quando some, reaparece, bastando para isso girar o copo algumas vezes (como fazemos quando vamos sentir o perfume de um vinho). A dobradinha aguardente cerveja escoltou um patê de veado com amêndoas e uma compota de cramberry. Delícia. Depois, um goulash, com músculo e lingüiça afogado em farto, espesso e avermelhado molho, servido ao lado de uma espécie de bolinho de batata. Mas tcheca não poderia ser a refeição. E, para encerrar, uma informação importante. Cerveja á pivo. E pivovar são bares de cerveja. Quando estiver por aqui, entre nelas, peça uma velké (que é a caneca grande) e veja se não estou falando a verdade.

A cerveja tcheca é tão boa que me faz esquecer do vinho.

Foto: Bruno Agostini

Um comentário:

Luciano S disse...

Olá meu nome é Luciano e procurei no blog algumas dicas de onde comprar os utensilios em Belo Horizonte para que eu possa fazer minha primeira cerveja mas não achei nenhuma matéria sobre isso, onde posso comprar alguém poderia me ajudar por favor eu já procurei no fórum do brejas e eles falaram que essas informações seriam adiquiridas no acerva da minha região por isso estou aqui, meu email é kornbh@gmail.com obrigado.

 
.